IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.

Resultado de imagem para alepo

 

 

Cerca de 4.000 anos atrás, quando Abraão subiu um morro no Oriente Médio com a intenção de sacrificar seu único filho legítimo ao Deus que adorava como superior aos outros deuses, nasceu a tradição da fé.

 

 

Cruzadas, jihad, "Grande Israel". Associam-se, geralmente, as religiões monoteístas ao impulso da guerra de conquista. Porém, antes de tudo, elas assinalaram um extraordinário salto civilizacional.

 

A tradição da fé soldou extensas comunidades políticas pois rompeu barreiras sociais até então intransponíveis. Se o mais humilde dos súditos e seu soberano compartilham o Deus único, leem o mesmo Livro e curvam-se juntos aos mesmos mandamentos, então eles são essencialmente iguais.

 

Dessa limitação implícita do poder tirânico surgiu o embrião da ideia de direitos civis.

 

A versão moderna da igualdade foi estabelecida pelo Estado-Nação, por meio do contrato de cidadania. A soberania deslocou-se para o povo, eliminando-se a aura de distinção que cercava o governante.

 

Os cidadãos não se distinguem por suas opções de fé: na base do contrato político está a separação entre Estado e Igreja e sua contrapartida, que é a liberdade de religião. Os direitos civis aparecem explícitos, elencados na legislação e assegurados por tribunais independentes.

 

As duas versões da igualdade, a ancestral e a moderna, têm seus lados sombrios. A irmandade religiosa exclui o "infiel"; a irmandade nacional, o "estrangeiro".

 

A Cruzada ou a jihad, assim como o nacionalismo exacerbado, espreitam na trama lógica das comunidades tecidas pela fé e pela nação. Auschwitz reuniu todos os demônios, sintetizando a pulsão exterminista do nazismo, que identificou o judeu ao "estrangeiro". Diante das imagens da barbárie, em 1948, costurou-se uma terceira versão do conceito de igualdade.

 

A Declaração Universal dos Direitos Humanos impugnou as perseguições religiosas, raciais, étnicas e nacionais pela proposição de uma "cidadania universal".

 

Seus autores inspiraram-se nas declarações de direitos ocidentais (inglesa, americana e francesa) e, ainda, em tradições da fé de diversos povos. "Nunca mais": a afirmação de uma humanidade comum funcionaria, esperavam eles, como uma barricada de última instância contra os massacres e o genocídio.

 

Celebraremos o Natal sob os signos da xenofobia, do jihadismo, da islamofobia e de Aleppo.

 

Na Síria, 80 anos depois de Guernica, uma cidade em ruínas alerta-nos para a persistência da barbárie –e para as implicações do predomínio da "realpolitik".

 

Amparado pela Rússia, no vácuo aberto pela inércia do Ocidente, Bashar Assad provou que os tiranos ainda mantêm a prerrogativa de massacrar seu próprio povo.

 

"Morte ao cristão", "deportemos os imigrantes", "proíba-se a burca": no Oriente Médio, na Europa e nos EUA, as vozes dos extremistas identificam o inimigo no "infiel" ou no "estrangeiro", instaurando uma cartografia do ódio. A simplificação identitária do discurso político apela às faces sombrias do nacionalismo e da religião. Tempos de jihad e terror: no lugar da tradição abraâmica, os fanáticos invocam a exclusividade do seu próprio profeta.

 

Tempos de Trump, Putin, Erdogan, Le Pen: no lugar do contrato civil, os nativistas invocam o "direito do sangue" e a primazia da "cultura". Há pouco, quase nada, a celebrar nesse Natal de 2016.

 

Mesmo assim, os descrentes, como eu, não precisam juntar-se aos resmungos dos novos ateístas ou à fúria dos liberais "libertários". Podemos, em vez disso, erguer um brinde à versão inicial, religiosa, do conceito de igualdade –com a condição de brindar também às duas versões modernas, que a corrigem e completam.

 

Feliz Natal, apesar de tudo

 

Demétrio Magnoli -  Doutor em geografia humana, é especialista em política internacional. Escreveu, entre outros livros, "Gota de Sangue - História do Pensamento Racial" e "O Leviatã Desafiado

24/12/2016

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1