IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.
Trump

O republicano Donald Trump será o 45º presidente dos Estados Unidos

 

A sua eleição talvez adie indefinidamente a caminhada para a paz perpétua acalentada desde o século XVIII

Não importam as petas que Trump usou para eleger-se. Às vezes mentiras dão certo, como vimos no Brasil, em 2014. Tudo sugere, por outro lado, que sua vitória teve também sólida razão objetiva com o grave descontentamento de parte dos “abandonados” eleitores democratas. Nada, entretanto, tem a ver com a emersão da “direita” ou a imersão da “esquerda” e muito menos com a “luta de classes”, como sugerem alguns fanáticos desiludidos e assustados...

 

 

A insuperável vantagem do sistema democrático de governo é que sua continuidade propicia a única forma de conhecimento seguro a que os homens têm acesso: a experimentação e o erro, um aprendizado que tem custos importantes. O uso permanente do sufrágio universal, com eleições livres e renovação do poder incumbente em tempo certo, corrige endogenamente os seus erros eventuais. 

 

 

Há uma espécie de malaise freudiana no mundo, que vem se explicitando nas urnas. O homem parece mesmo já não saber o que fazer dela. Para começar a entendê-la, talvez seja necessário recuar a 1928.

 

 

Depois do excesso de liberdade de que gozou o sistema financeiro e do exagerado movimento de capitais, que foram as causas da crise de 1929, tivemos a estrita regulação rooseveltiana até o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

 

 

A partir daí a “ordem americana” emergiu na política econômica proposta pelo Fundo Monetário Internacional: 

1. Taxas de câmbio fixas, reajustáveis com seu consentimento. 

2.Rígido controle do movimento de capitais e 

3. Política monetária soberana de cada país.

 

 

A estagflação do fim dos anos 1970 perverteu a política econômica compatível com o liberalismo político e levou o mundo à tragédia em que está vivendo. Começou no governo de Ronald Reagan, um republicano que ocupou a Presidência dos Estados Unidos de 1981 a 1989.

Sob o conselho “científico” de alguns economistas que teriam provado “teoricamente” (o que, fora da Lógica, é um absurdo) que “os mercados financeiros deixados a si mesmos, sem a intervenção do Estado, são mais do que perfeitos: além de obedecerem ao imperativo categórico kantiano, propiciam, eficientemente, o pleno emprego”, Reagan não teve dúvidas.

Iniciou a desmontagem da regulação que salvara, entre 1930 e 1933, o capitalismo das velhacarias do sistema financeiro. Novamente livre, ele voltou às mesmas práticas e produziu outra crise em 2009!

 

 

Levada ao exagero e sem cuidado, a perversão liberal iniciada em 1981 acelerou a globalização com a liberdade de comércio (uma coisa muito boa e motor do crescimento) e o movimento de capitais (uma coisa mais que duvidosa).

Esqueceu-se de que a teoria das vantagens comparativas só revela seus resultados no longo prazo. O ajuste interno dos países leva tempo e tem custos sociais que podem ser politicamente insuportáveis. Essa é, sem dúvida, uma das causas da malaise que fratura as sociedades e põe em risco a paz mundial.

 

 

É muito cedo para avaliar o que será o governo Trump, mas duas coisas são certas. Primeiro, ele está longe de ser o psicopata que representou durante a campanha. Teve um olhar certeiro nos “esquecidos perdedores” produzidos pela falta de sensibilidade social da perversão liberal.

Radicalizou para atraí-los e levou-lhes uma vã esperança, pois dá sinais de que vai insistir em mais desregulamentação financeira. Segundo, ele tem muito a perder e “sabe” como funciona, por dentro, o intercurso incestuoso entre governo e setor privado, financeiro e real, pois é um inegável “beneficiário” e parceiro. Portanto, tentará proteger seus interesses. 

 

 

Se o isolacionismo americano prometido por Trump for confirmado, produzirá a fragmentação e a reorganização geopolítica das nações que se sentirão traídas pelos Estados Unidos, que lhes deram a “garantia” da proteção militar, particularmente Otan, Japão e Coreia do Sul, o que deve estimular uma nova corrida atômica. Não há como não se inquietar com o “espantalho” do perigo externo explorado por Putin, na Rússia, e Xi Jinping, na China, que têm clara propensão expansionista.

O pesadelo é que talvez a sua eleição tenha adiado sine die a caminhada para a paz perpétua, sugerida por Kant, em 1784, atrás da qual andou, desde sempre, o liberalismo econômico inteligente que foi corrompido pela ideia do “mercado perfeito”.

 

 

 

 
Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1