IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.

Para Odebrecht, oposição da PF à delação de 50 executivos é para salvar Temer; são eles que podem identificar os codinomes nas planilhas

A Polícia Federal se opõe a novas delações premiadas na Lava Jato, informa hoje a Folha de S. Paulo. A justificativa é de que a sociedade ficaria com a sensação de impunidade diante de delatores soltos. Mas, justo agora?

Para fontes da Odebrecht não identificadas na reportagem, seria uma tentativa de gente ligada ao governo Temer de evitar ou ao menos diminuir o impacto de provas contra o alto escalão do PMDB, inclusive do presidente usurpador.

A empreiteira organizou a delação de 50 de seus executivos, além de Marcelo Odebrecht.

Mas, o que eles teriam a oferecer? Basta olhar as planilhas da contabilidade paralela da empreiteira — aquelas, que o Jornal Nacional se negou a noticiar em detalhes. A alegação da Globo foi de que seria impossível discernir entre doações legais ou ilegais feitas pela empreiteira. Além disso, não haveria tempo em uma edição para dar todos os nomes e os direitos de resposta.

A suspeita é de que a Globo não queria deixar claro para o público o óbvio: a Odebrecht irrigou o caixa de quase todo o sistema político brasileiro, não apenas o do PT.

Além disso, se alguns dos codinomes utilizados pela empreiteira já foram identificados, outros seguem sendo um mistério.

Quem é o “Santo”, por exemplo, mencionado em texto manuscrito apreendido na casa do executivo Benedicto Barbosa Silva Júnior? Numa das anotações, ele é o destinatário de R$ 3,4 milhões em obra na rodovia Mogi-Dutra, em São Paulo. A anotação está em folha de um caderno de um executivo da empreiteira. Refere-se ao ano de 2002, quando Geraldo Alckmin derrotou José Genoino para tornar-se governador do Estado (ele havia se licenciado, depois de assumir o cargo com a morte de Mário Covas).

Além disso, em muitos dos papéis apreendidos pela Lava Jato, relativos à Odebrecht, existe menção às iniciais de executivos que pediam ou gerenciavam doações eleitorais.

Captura de Tela 2016-10-04 às 11.26.32

São justamente estes os executivos que agora se propõem a contar tudo. Poderiam esclarecer os trâmites das doações, o uso de empresas-laranja, eventuais pagamentos feitos no Exterior e os codinomes que ainda permanecem envoltos em mistério.

É justamente isso que, aparentemente, a Polícia Federal agora quer dispensar:

PF se opõe a novas delações premiadas na Lava Jato

BELA MEGALE, na Folha, 04/20/2016

A Polícia Federal tem defendido nos bastidores que não se faça mais nenhum acordo de delação premiada nas investigações da Operação Lava Jato.

Na avaliação de integrantes da PF no Paraná, já foi recolhido material suficiente ao longo dos dois anos e sete meses em que a operação está em curso para que apurações próprias sobre o esquema de desvios na Petrobras sejam feitas, sem precisar de ajuda de delatores.

Para a polícia, um exemplo é a operação de semana passada que prendeu o ex-ministro petista Antonio Palocci, que chefiou a Fazenda no governo Lula e a Casa Civil sob Dilma Rousseff.

A ação investiga o elo de Palocci com a empreiteira Odebrecht, que está na reta final na negociação de acordos de delação premiada e leniência com os procuradores ligados à Lava Jato.

Com a análise de planilhas da empreiteira apreendidas em fases anteriores combinada a delações já firmadas, o delegado Felipe Pace, da PF, concluiu que Palocci é o citado “italiano” que aparece nas citações da Odebrecht. O petista, que cumpre prisão preventiva decretada pelo juiz Sergio Moro, nega.

A mesma informação consta nos anexos da pré-delação de Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro da empreiteira, em negociação com a PGR (Procuradoria-Geral da República). Ele está preso desde o ano passado.

Além disso, membros da PF destacam que a sensação de impunidade perante a sociedade irá aumentar caso mais colaborações sejam fechadas com a Justiça.

Desde que a primeira fase da Lava Jato foi deflagrada, em março de 2014, foram celebrados 66 acordos de delação premiada e quatro de leniência (com as empreiteiras Toyo-Setal, UTC, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez).

Se a Odebrecht tiver êxito na negociação, esse número pode superar a casa da centena, já que a empreiteira negocia a delação de mais de 50 funcionários do grupo.

Para a polícia, outro elemento que dificulta a celebração de novas delações é que presos da Lava Jato começarão a ser soltos, como é o caso do doleiro Alberto Yousseff, um dos principais personagens do esquema. Ele vai para o regime aberto em novembro, após dois anos e quatro meses de cadeia.

Moro também compartilha da mesma preocupação em relação a novas delações.

Segundo a Folha apurou, ele vem sinalizando a investigadores da Lava Jato que nenhum preso será liberado automaticamente se sua delação for homologada.

Em conversas reservadas, pessoas ligadas a Odebrecht afirmam que a posição da PF contra delação premiada teria relação com algum movimento do governo de Michel Temer, já que integrantes da cúpula do PMDB, incluindo o presidente, são mencionados no acordo com a empreiteira. A PF, porém, nega qualquer diálogo ou influência do governo.

ALIJADA

A opinião da PF sobre o tema acirra a divergência da instituição com a Procuradoria-Geral da República.

A relação entre os dois lados, que nunca foi de proximidade, tornou-se mais distante após a assinatura da delação premiada do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró em novembro do ano passado.

A polícia no Paraná soube pela imprensa, por exemplo, que o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) havia sido preso, naquele mesmo mês, por propor um plano de fuga para Cerveró.

Em abril, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) a proibição de a Polícia Federal negociar acordos de delação premiada sem a participação do Ministério Público, aumentando a tensão entre os dois lados da investigação.

Na Lava Jato, a PF firmou diretamente com a doleira Nelma Kodama, ex-auxiliar de Alberto Youssef, um acordo de delação premiada.

A colaboração ainda não foi homologada pelo juiz Sergio Moro, e a força tarefa firmou um novo acordo com a doleira, que ainda está em andamento.

04 de outubro de 2016

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29