Cúpula da Corregedoria da Polícia Civil cai após denúncia de 'mensalão'

Nestor Sampaio Penteado Filho deixa direção do órgão; outras nove pessoas foram afastadas de cargos pelo secretário de Segurança

Vídeo mostra promotores chegando ao prédio, antes de os policiais fugirem

Vídeo mostra promotores chegando ao prédio, antes de os policiais fugirem

SÃO PAULO - O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, convocou uma coletiva nesta segunda-feira, 21, e anunciou que o atual diretor da Corregedoria da Polícia Civil, delegado Nestor Sampaio Penteado Filho, foi afastado do cargo. No lugar dele, vai assumir o delegado Domingos Paulo Neto, que atualmente é diretor Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap).

As demissões foram anunciadas após o Estado revelar que o Ministério Público Estadual (MPE) investiga a existência de um "mensalão" pago por policiais corruptos à Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo. Essas mudanças acontecem, segundo Moraes, porque todos os membros da Corregedoria citados pelo MPE serão investigados em inquéritos policiais. "Para evitar o constrangimento do chefe da equipe investigar a própria equipe", justificou o secretário.

Também foram afastados sete investigadores da Polícia Civil, o chefe dos investigadores do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Silvio Toyama, e o delegado Luiz Longo. Os dois aparecem no vídeo obtido peloEstado, principal prova do MPE.

Vídeo mostra policiais fugindo do Deic antes que promotores possam encontrá-los

Vídeo mostra policiais fugindo do Deic antes que promotores possam encontrá-los Nas imagens, promotores de Justiça são enganados por policiais civis que facilitam a fuga de dois investigadores acusados de corrupção. As imagens foram gravadas pelo circuito de segurança do Deic, em Santana, na zona norte, onde o caso aconteceu, em novembro.

Segundo as investigações, os corregedores venderiam proteção aos homens que deveriam investigar e prender. Em troca de até R$ 50 mil, os corregedores informavam a delegacias e departamentos da Polícia Civil o planejamento de operações do MPE  e o recebimento de denúncias feitas por vítimas de extorsões de policiais. 

Expulsão. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira que os policiais envolvidos no "mensalão" da Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo serão processados e podem ser expulsos da corporação. 

"Os policiais envolvidos, todos eles, responderão em processo. Se for confirmado, serão expulsos da polícia e responderão civil e criminalmente", afirmou o governador, sem, no entanto, detalhar quem são os alvos.

ALEXANDRE HISAYASU E FELIPE RESK - O ESTADO DE S. PAULO

21 Dezembro 2015 | 13h 11