IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

O que é narcisismo social? No que ele se distingue do individual?

O narcisista individual se considera o cara mais competente (ou bonito) do pedaço e supervaloriza suas qualidades, algumas das quais podem até ser verdadeiras. Mas a necessidade que ele tem de aparecer, necessidade esta em geral provocada por problemas ocorridos na infância, como por exemplo, falta de atenção dos pais (ou ao contrário, excesso de atenção - ou paparicagem) vai muito além da circunstância de ele possuir ou não qualidades.

 

O narcisismo social explora as tendências narcísicas naturais do ser humano que passa a compensar suas fragilidades (ou baixa auto-estima) se exibindo socialmente. Será que todos os artistas são narcísicos, assim como os políticos que adoram aparecer?  Não foi feita uma pesquisa para medir o índice de narcisistas (ou apenas narcísicos) destas profissões, mas tudo indica que uma grande parte deles sofre deste mal. A diferença básica entre o narcisismo individual e o narcisismo social é que o segundo só se manifesta nos indivíduos quando é estimulado pelo marketing da sociedade de consumo.

 

Os marxistas diriam que este estimulo marketeiro é uma “ideologia das classes dominantes”, quando se trata simplesmente de uma tática para vender produtos que manipula a psicologia dos consumidores. Deve-se ter em mente que uma manipulação psicológica dos consumidores só tem sucesso quando ela atende a uma necessidade latente, como é o caso do narcisismo.

 

As emissoras de televisão apresentam a toda hora reportagens e filmes contendo cenas de violência não porque querem promover a violência mas sim conquistar a audiência do Ibope. Mas é, claro que ao fazer isso, acabam promovendo a violência sem ter a intenção de, como fazem o Datena da Band e o Rezende da Record.

 

Cito especificamente o exemplo destas duas emissoras para não cair no vezo do bode expiatório que “vitimou” a Globo. A Globo, tanto como as duas concorrentes citadas, estão o tempo todo atrás dos índices do Ibope, sendo que para esse fim todos os meios se justificam. Porém porque só falar mal da Globo? Para ficarmos com a falsa sensação que basta não assistir aos programas desta emissora para ficarmos livres do problema?

 

Desta matéria publicada pelo Estadão excluímos as fotos semi-pornográficas porque não estamos aqui para cultuar o corpo de ninguém, seja homem ou mulher.

 

O Estadão fazendo isso? Quem te viu e quem te vê hein, Estadão? Compare o que você está fazendo hoje com o que fazia há 50 anos. É o preço da sobrevivência?

 

Pois é... c’est la vie mon ami, c’est le monde capitaliste. 

Psicanalista Social

Ps. Essa resposta da entrevistada mostra até que pondo pode chegar a irracionalidade do narcisismo: 

 

O que a faz se sentir bonita?

Estar feliz. Quando a gente está feliz, tudo vibra. Faz o seu cabelo ficar bonito, a pele ficar ótima, o olho brilhar. O corpo, por mais que esteja um pouco fora de forma, aparece incrível. Porque às vezes se você se esconde atrás de uma maquiagem, mas está um caco por dentro, você murcha.

'Curto meu corpo muito mais hoje'

Ela se diz carnívora, fã de doces e conta que faz dieta o ano inteiro para poder 'ser feliz' nas festas de fim de ano. No lançamento da coleção de lingeries criada em parceria com uma rede de fast fashion, ela falou sobre boa forma, negócios, família e autoestima

 

Do alto de seus 1,85 metros (e acrescente mais uns cinco centímetros de salto), a apresentadora Ana Hickmann esbanja simpatia. No lançamento de sua coleção de lingerie em parceria com a loja Marisa e a Marcyn, que ocorreu na quinta-feira, 19, em São Paulo, ela causou alvoroço: havia fãs em polvorosa e fila para tirar fotos com a bela. Aos 34 anos, Ana se divide entre a apresentação do programa "Hoje em Dia", da TV Record, a função de empresária no comando da marca que leva seu nome e o filho, Alexandre, nascido em 2013. "Hoje administro meu tempo para dar a maioria dele para meu filho. Trabalho tanto ou até mais do que antes, mas agora sou mais rápida e decidida no que quero", diz. "A gente aprende a ver as coisas boas da vida com a maternidade." AoEstado, ela falou sobre trabalho, beleza, vida em família e autoestima. "Quando a gente está feliz, tudo vibra. Faz o seu cabelo ficar bonito, a pele ficar ótima, o olho brilhar", diz.

 

Você posou para a campanha de sua nova linha de lingeries. Como se sente fazendo fotos de roupa íntima e de praia?

 

Como diz meu marido (Alexandre Corrêa, que também trabalha com ela), eu ainda estou dando caldo (risos). Eu sempre trabalhei com isso, minha primeira profissão foi como modelo, então é supernormal. Lógico, pinta um pouco de insegurança, principalmente porque não tenho mais 20 anos. Eu já tive um neném, então as coisas não estão mais no mesmo lugar de antes. Mas ao mesmo tempo eu curto meu corpo muito mais hoje. Estou mais madura, mais consciente de tudo, sei das marquinhas que tenho. Acho que a gente é perfeita do nosso jeito. É por isso que, às vezes, quando escuto de algumas mulheres dizerem que não podem usar certas peças porque não fica legal para o tipo de corpo delas, respondo: "Quem falou? Se olha no espelho, se olha bem”. Acho que a gente tem que valorizar o que tem de melhor e entender que os pequenos defeitos fazem parte dessa perfeição.

 

Em seu Instagram, frequentemente publica fotos e vídeos de seus treinos. Pode falar um pouco sobre a sua rotina de exercícios e dieta?

 

Menina, estou ralando para caramba agora. Minha vida toda sempre fiz dieta, exceto durante e no pós gestação, em que me dei o prazer de poder viver como qualquer mulher. Matei todas as minhas vontades de grávida, engordei bastante e não sou exemplo para nenhuma mulher nesse quesito. Mas ao mesmo tempo fui tão feliz quanto minha mãe foi na gravidez dela. Depois a gente tem que ter a consciência de colocar a saúde em primeiro lugar, ainda mais porque o meu trabalho depende da minha forma física. Mas também tem a questão da autoestima feminina, que você tem que buscar de volta. Quando parei de amamentar, comecei uma dieta mais enxuta, com acompanhamento de uma nutricionista e de um endocrinologista. Também foquei em treinos funcionais. Malho de três a quatro vezes por semana.  

Tem algum guilty pleasure?

 

Durante o ano todo a gente faz dieta, mas tem uma época que eu não quero nem saber, o pé na jaca é total. Tanto que agora já estou acelerando a dieta para chegar no Natal e no ano novo e, ah!, poder ser feliz. Sou louca por doces, pudim de leite, bolos dos mais simples - fubá, milho, de cenoura-, sorvete... Mas do que não abro mão mesmo é uma boa carne. Desculpem todos os vegetarianos, mas eu sou carnívora. Uma boa gaúcha, não nego a raiz.

 

E além de exercícios e alimentação, a quais tratamentos estéticos se submete atualmente?

 

Minha vida toda fui adepta de tratamentos estéticos. Nunca deixei de fazer drenagem e vira e mexe experimento uma coisa nova. Uma das novidades que testei há poucos meses e gostei do resultado foi a criolipólise, aquele congelamento da gordura localizada. Dá resultado a longo prazo e achei interessante.

 

O que a faz se sentir bonita?

Estar feliz. Quando a gente está feliz, tudo vibra. Faz o seu cabelo ficar bonito, a pele ficar ótima, o olho brilhar. O corpo, por mais que esteja um pouco fora de forma, aparece incrível. Porque às vezes se você se esconde atrás de uma maquiagem, mas está um caco por dentro, você murcha.

 

Você sempre trabalhou muito e planejou bem o momento de ter um filho. Como é sua rotina hoje?

 

Hoje administro meu tempo para dar a maioria dele para meu filho. Trabalho tanto ou até mais do que antes, mas agora sou mais rápida e decidida no que quero. A gente aprende a ver as coisas boas da vida com a maternidade. Paramos e vemos que os pequenos momentos são os mais importantes. Os problemas sempre vão existir, não vão sumir. Mas a gente acaba percebendo que isso é passageiro, momentos bons a gente tem que aproveitar mais para serem eternos. Acho que toda vez que ele fala “mãe” meu coração acelera um pouquinho.

 

Marília Marasciulo

20 Novembro 2015

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29