IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.

Hungria prende 60 refugiados após nova lei entrar em vigor - AP
            Na Hungria, presos                                     No mar, milhares de mortos

Hungria prende 60 refugiados após nova lei entrar em vigor

Com a nova legislação, imigrantes que entrarem ilegalmente no país serão considerados criminosos e poderão pegar, no mínimo, 3 anos de prisão

Segundo a televisão pública húngara M1, os detidos foram capturados quando cortavam a cerca erguida na fronteira para entrar no país, uma ação para a qual foram estabelecidos 5 anos de prisão pelo agravante de causar dano à cerca.
A Hungria fechou ontem sua fronteira aos refugiados e só dará prosseguimento aos pedidos de asilo de cidadãos vindos de zonas de conflito, com documentação nos pontos de entrada oficiais. A partir de hoje é aplicada uma legislação que estabelece penas de 3 anos de prisão para quem entrar de forma ilegal no país.
Juristas consultados pelo M1 asseguraram que as primeiras sentenças serão só condicionais e ajudarão a expulsar os detidos do país. Caso a mesma pessoa seja detida novamente tentando entrar no território de forma ilegal, será executada de forma imediata a pena de prisão.
Até o fechamento do espaço da fronteira em Roszke de forma inesperada durante a tarde de ontem, a polícia havia registrado a chegada ao país de mais de 9.380 pessoas, o maior número em um só dia.
Forças de segurança solicitaram hoje aos jornalistas e cidadãos que "não criem obstáculos" ao trabalho na fronteira e advertiram que atuarão com contundência para aplicar as leis que entraram em vigor.
A partir de hoje serão estabelecidos também procedimentos acelerados de asilo que determinarão em poucos dias se as solicitações serão aceitadas. Os refugiados que não conseguirem esse status serão devolvidos à Sérvia.
O governo húngaro construiu uma cerca de 175 quilômetros em sua fronteira meridional com a Sérvia para conter a chegada de refugiados e colocou 900 policiais e 4,3 mil militares na região.
Neste ano, as autoridades húngaras registraram mais de 180 mil refugiados que entraram no país de forma ilegal, embora a maioria tenha seguido caminho para Alemanha, Holanda e nações escandinavas.
O tratamento recebido pelos refugiados foi duramente criticado por organizações como Human Rights Watch, que asseguraram que as condições nos centros de amparo são "desumanas". /EFE e AFP
ROSZKE - As forças de segurança húngaras detiveram 60 refugiados nesta terça-feira, 15, após entrar em vigor a nova legislação, que impõe penas de prisão a quem cruzar a fronteira ilegalmente.
"A polícia abriu um processo criminal contra eles", disse Gyorgy Bakondi, um porta-voz do governo em uma coletiva de imprensa em Szeged, no sul da Hungria.
Segundo a televisão pública húngara M1, os detidos foram capturados quando cortavam a cerca erguida na fronteira para entrar no país, uma ação para a qual foram estabelecidos 5 anos de prisão pelo agravante de causar dano à cerca.
A Hungria fechou ontem sua fronteira aos refugiados e só dará prosseguimento aos pedidos de asilo de cidadãos vindos de zonas de conflito, com documentação nos pontos de entrada oficiais. A partir de hoje é aplicada uma legislação que estabelece penas de 3 anos de prisão para quem entrar de forma ilegal no país.
Juristas consultados pelo M1 asseguraram que as primeiras sentenças serão só condicionais e ajudarão a expulsar os detidos do país. Caso a mesma pessoa seja detida novamente tentando entrar no território de forma ilegal, será executada de forma imediata a pena de prisão.
Até o fechamento do espaço da fronteira em Roszke de forma inesperada durante a tarde de ontem, a polícia havia registrado a chegada ao país de mais de 9.380 pessoas, o maior número em um só dia.
Forças de segurança solicitaram hoje aos jornalistas e cidadãos que "não criem obstáculos" ao trabalho na fronteira e advertiram que atuarão com contundência para aplicar as leis que entraram em vigor.
A partir de hoje serão estabelecidos também procedimentos acelerados de asilo que determinarão em poucos dias se as solicitações serão aceitadas. Os refugiados que não conseguirem esse status serão devolvidos à Sérvia.
O governo húngaro construiu uma cerca de 175 quilômetros em sua fronteira meridional com a Sérvia para conter a chegada de refugiados e colocou 900 policiais e 4,3 mil militares na região.
Neste ano, as autoridades húngaras registraram mais de 180 mil refugiados que entraram no país de forma ilegal, embora a maioria tenha seguido caminho para Alemanha, Holanda e nações escandinavas.
O tratamento recebido pelos refugiados foi duramente criticado por organizações como Human Rights Watch, que asseguraram que as condições nos centros de amparo são "desumanas". /EFE e AFP
Estadão, 15/09/2015
Áustria compara tratamento de refugiados na Hungria ao nazismo
Chanceler Werner Faymann criticou primeiro-ministro húngaro Viktor Orban.
'Desperta a recordação do período mais sombrio de nosso continente', diz.
O chanceler austríaco Werner Faymann criticou energicamente o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban comparando o tratamento dado aos refugiados que transitam pela Hungria com o período do nazismo.Segundo a televisão pública húngara M1, os detidos foram capturados quando cortavam a cerca erguida na fronteira para entrar no país, uma ação para a qual foram estabelecidos 5 anos de prisão pelo agravante de causar dano à cerca. A Hungria fechou ontem sua fronteira aos refugiados e só dará prosseguimento aos pedidos de asilo de cidadãos vindos de zonas de conflito, com documentação nos pontos de entrada oficiais. A partir de hoje é aplicada uma legislação que estabelece penas de 3 anos de prisão para quem entrar de forma ilegal no país. Juristas consultados pelo M1 asseguraram que as primeiras sentenças serão só condicionais e ajudarão a expulsar os detidos do país. Caso a mesma pessoa seja detida novamente tentando entrar no território de forma ilegal, será executada de forma imediata a pena de prisão. Até o fechamento do espaço da fronteira em Roszke de forma inesperada durante a tarde de ontem, a polícia havia registrado a chegada ao país de mais de 9.380 pessoas, o maior número em um só dia. Forças de segurança solicitaram hoje aos jornalistas e cidadãos que "não criem obstáculos" ao trabalho na fronteira e advertiram que atuarão com contundência para aplicar as leis que entraram em vigor. A partir de hoje serão estabelecidos também procedimentos acelerados de asilo que determinarão em poucos dias se as solicitações serão aceitadas. Os refugiados que não conseguirem esse status serão devolvidos à Sérvia. O governo húngaro construiu uma cerca de 175 quilômetros em sua fronteira meridional com a Sérvia para conter a chegada de refugiados e colocou 900 policiais e 4,3 mil militares na região. Neste ano, as autoridades húngaras registraram mais de 180 mil refugiados que entraram no país de forma ilegal, embora a maioria tenha seguido caminho para Alemanha, Holanda e nações escandinavas. O tratamento recebido pelos refugiados foi duramente criticado por organizações como Human Rights Watch, que asseguraram que as condições nos centros de amparo são "desumanas". /EFE e AFP

G1 - 12/09/2015

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1