IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, o INSS, paga a um médico por uma CIRURGIA CARDÍACA COM ABERTURA DE PEITO, a importância de R$ 70,00, o que equivale ao que uma diarista cobra, para fazer faxina num apartamento de dois quartos.
Afrouxamento quantitativo do BCE
Atualmente, a zona do euro corre risco de deflação. Isso significa que há uma tendência de queda dos preços, consequência da lenta recuperação após a crise econômica de 2008. Com desemprego elevado, o consumo cai e, consequentemente, os preços também. A queda do valor do petróleo também influencia a baixa geral. O Banco Central Europeu (BCE) iniciou em março um programa de estímulos com o objetivo de movimentar a economia da região. O BCE vai colocar € 1,1 trilhão na economia até 2016. O dinheiro será usado para comprar títulos de países da zona do euro, com isso, cresce o dinheiro e o crédito em circulação, aumentando o consumo. Esse programa de estímulos é chamado de quantitative easing (QE) - em português, afrouxamento quantitativo ou monetário. O BCE segue a ideia básica do banco central dos Estados Unidos, o Fed, que adotou o QE depois da crise financeira.
Saiba mais:
Agência de classificação de risco
Quando uma empresa ou um país precisam de dinheiro para financiar suas atividades, uma opção é buscar investidores. O caminho, então, é vender títulos com a promessa de pagamento de juros no futuro. O investidor precavido, no entanto, sempre procura saber qual é a situação econômica e financeira dessa empresa ou país. É aí que entra o trabalho de uma agência de classificação de risco (também chamada de agência de crédito ou agência de rating). Elas avaliam a situação dos devedores e publicam uma opinião, que é a nota de credito (ou rating). Essa avaliação é usada para orientar os investidores sobre o risco de calote envolvido naquele investimento. O Brasil, por exemplo, é avaliado pela qualidade dos títulos do Tesouro. A dívida emitida pela Petrobrás, ou por empresas privadas, também recebe nota. As agências mais conhecidas são: Fitch, Moody's e Standard & Poor's.
Saiba mais:
Ajuste fiscal
Como qualquer pessoa ou empresa, o governo também tem despesas e receitas que saem e entram mês a mês. Se os gastos são maiores que os ganhos, o governo registra déficit nas contas públicas. O problema de sucessivos déficits é que não sobra dinheiro para o governo pagar juros a quem comprou seus títulos do Tesouro. E a situação pode virar uma bola de neve: governo se vê obrigado a emitir mais títulos para pegar dinheiro no mercado e conseguir se financiar. Só que os credores, desconfiados, começam a exigir retornos maiores e os gastos com juros crescem. Com isso, a dívida do país só vai aumentando. O governo faz o chamado ajuste fiscal para arrumar as contas públicas em busca de equilíbrio. Um ajuste fiscal necessariamente inclui cortes de gastos públicos e aumento de receitas, via impostos maiores. Com as contas no azul, o governo terá dinheiro para pagar juros e sua dívida diminui, sobrando mais recursos para outros investimentos. Essa é a atual bandeira do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.
Saiba mais:
Alavancagem
A relação entre dívida líquida e Ebtida (uma medida de geração de caixa da empresa) é o principal indicador de alavancagem financeira utilizada pelo mercado. O índice mostra quantos anos a companhia precisa para gerar caixa suficiente para pagar empréstimos e financiamentos. A alavancagem avalia, portanto, a capacidade de uma empresa honrar as obrigações que têm com terceiros. Quanto maior a dívida e menor a geração de caixa, maior será a alavancagem.

No balanço da Petrobrás do segundo trimestre de 2014, o último auditado, a alavancagem por esse indicador estava em 3,94. Isso indica que a estatal precisaria de quase quatro anos para levantar os recursos necessários ao pagamento de suas dívidas.

Saiba mais:
Alexandre Tombini
Tombini é presidente do Banco Central desde janeiro de 2011, ou seja, foi membro da primeira equipe econômica formada por Dilma Rousseff e foi mantido no cargo após a reeleição da presidente.

Alexis Tsipras
Eleito primeiro-ministro da Grécia no fim de janeiro, Alexis Tsipras é conhecido por ser da esquerda radical grega. Ele defende o fim das políticas de austeridade, ou seja, quer aumentar os gastos do governo, por exemplo, elevando o salário mínimo. Apesar desse discurso, Tsipras teve de ceder logo no início, quando precisou prorrogar, junto à União Europeia, o plano de ajuda à Grécia feito após a crise econômica de 2008. Em 2010, a Grécia foi socorrida por credores internacionais que, em troca, exigiram que o país fizesse uma série de medidas para cortar gastos públicos, consideradas austeras.
Saiba mais:
Balanço auditado
O balanço patrimonial demonstra a situação financeira de uma empresa. Ele é o documento de contabilidade que detalha os ativos (bens, direitos e demais aplicações de recursos), os passivos (dívidas com terceiros) e o patrimônio líquido (recursos dos sócios, cujo valor é a diferença entre ativo e passivo). Quando esse documento é analisado e referendado por uma auditoria externa, ele é chamado de balanço auditado. A auditoria atesta a exatidão das informações contábeis. Por isso, o balanço auditado é um indicador de transparência da empresa.
No caso da Petrobrás, em decorrência das investigações da Operação Lava Jato, a empresa atrasou a divulgação de seu balanço do terceiro trimestre de 2014. Além disso, quando publicou o documento, ele não estava auditado.
Saiba mais:
Bandeiras tarifárias
No Brasil, 68% da energia elétrica é gerada por hidrelétricas. Se há falta de chuvas, grande parte da geração de energia fica comprometida e o governo precisa ligar as usinas termoelétricas, que usam gás ou óleo diesel.
A questão é que gerar energia via termoelétricas é mais caro que nas hidrelétricas. O governo vinha cobrindo os gastos maiores das distribuidoras de energia com empréstimos e subsídios, mas a situação ficou insustentável em ano de ajuste fiscal.
Desde o início de 2015, o custo maior passou a ser repassado ao consumidor e informado por meio das bandeiras tarifárias: vermelha, amarela e verde. A bandeira vermelha representa a energia mais cara (quando as usinas termoelétricas são ligadas). A amarela é intermediária. E a bandeira verde aparece quando não há custo adicional (uso principal de hidrelétricas).
Saiba mais:
BCE (Banco Central Europeu)
 
Banco Central Europeu é a instituição financeira que emite o euro, criado em 1999. Trata-se da moeda utilizada nos 19 países que compõem a zona do euro. A principal função do BCE é manter o poder de compra da divisa, ou seja, evitar inflação ou deflação fora de controle.
Saiba mais:
Calote
Também chamado no mercado de default. É o descumprimento de qualquer cláusula importante de um contrato que vincula devedor e credor.Mas nem toda reestruturação de dívida é considerada calote. Se houver uma negociação entre as partes, sem que haja imposição de condições, o calote não fica caracterizado.
Os países também têm dívidas com outras nações, bancos e investidores. Cada operação é baseada em um contrato - com prazo, juros e garantias definidos. Todas as vezes que uma dessas condições é alterada de forma unilateral, a situação é considerada calote.Isso significa que o default não é constatado apenas pela falta de pagamento. Também uma mudança significativa nas condições da dívida é considerada como calote.
Algumas empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato já declararam calote em algumas obrigações. O Grupo Galvão, por exemplo, deixou de fazer o pagamento de juro de uma de suas debêntures (títulos de dívida). Enquanto a OAS não honrou obrigações de dívidas no Brasil e também no exterior.
Saiba mais:
Christine Lagarde
Diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde é a primeira mulher a liderar o FMI. O fundo é uma organização independente que reúne 188 países em prol do crescimento e da estabilidade financeira global. Periodicamente o FMI divulga projeções sobre o desempenho da economia mundial. Para 2015, o FMI prevê que o Brasil terá crescimento de 0,3%, inferior à média mundial, de 3,5%.
Saiba mais:
Commodity
A palavra commodity significa "mercadoria" em inglês. No mercado internacional, designa produtos vendidos em estado bruto, que serão usados como matéria-prima na indústria. Exemplos: petróleo, minério de ferro, soja, algodão, café e ouro.
Os preços das commodities no mundo todo estão em queda e um dos motivos é a desaceleração da economia global. Grande compradora de commodities, a China está crescendo menos e, por isso, importando menos produtos. Como a oferta de commodities continua alta, o preço cai. O petróleo, por exemplo, sofre com a concorrência do gás de xisto nos Estados Unidos. A queda de preços atinge em cheio o Brasil, grande exportador de matéria-prima em geral.
Saiba mais:
Default
É o descumprimento de qualquer cláusula importante de um contrato que vincula devedor e credor. Na prática, é o que chamamos de calote. Mas nem toda reestruturação de dívida é considerada default. Se houver uma negociação entre as partes, sem que haja imposição de condições, o default não fica caracterizado.
Os países também têm dívidas com outras nações, bancos e investidores. Cada operação é baseada em um contrato - com prazo, juros e garantias definidos. Todas as vezes que uma dessas condições é alterada de forma unilateral, a situação é considerada default. Isso significa que o calote não é constatado apenas pela falta de pagamento. Também uma mudança significativa nas condições da dívida é considerada como calote.
Algumas empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato já declararam default em algumas obrigações. O Grupo Galvão, por exemplo, deixou de fazer o pagamento de juro de uma de suas debêntures (títulos de dívida). Enquanto a OAS não honrou obrigações de dívidas no Brasil e também no exterior.
Saiba mais:
Deflação
Ao contrário da inflação, que é quando os preços sobem, na deflação os preços registram queda persistente. A deflação pode ser causada pela oferta excessiva ou pela baixa demanda de bens e serviços. A deflação prolongada desorganiza a economia, pois os consumidores passam a adotar a seguinte lógica: por que comprar um produto hoje se amanhã o preço vai estar menor? Com isso, as indústrias diminuem suas expectativas de produção e os investimentos caem. Consequência? Desemprego e recessão.
A zona do euro convive atualmente com o risco de deflação. Para combater esse cenário, o Banco Central Europeu começou um programa de estímulos que vai colocar € 1,1 trilhão no mercado até 2016 para movimentar a economia.
Saiba mais:
Desoneração
A diminuição do peso dos tributos é chamada de desoneração. Um exemplo dessa política é a desoneração sobre a folha de pagamento iniciada em 2011 e que reduz a tributação sobre alguns setores da economia. Em ano de ajuste fiscal, o governo quer mudar essa política para recompor as alíquotas dos impostos e arrecadar mais. A desoneração referente à folha de pagamento somou R$ 1,9 bilhão em fevereiro.
Saiba mais:
Dólar comercial
Existem várias cotações para o dólar no Brasil. Isso ocorre porque o País adota o regime de câmbio flutuante. Nem sempre foi assim: entre 1994 (quando o Plano Real foi implantado) e 1999, o câmbio ficou fixo e a taxa era controlada pelo Banco Central (BC). Desde então, a taxa varia de acordo com oferta, demanda e expectativas do mercado sobre a economia. O BC divulga diariamente a Ptax, uma taxa média das operações com dólar realizadas pelas instituições financeiras - a qual serve de referência para a cotação da moeda. O dólar comercial é aquele usado nas operações de exportação e importação, enquanto o dólar à vista é referência para contratos no mercado financeiro. Ambas transações ocorrem no meio eletrônico. Já o dólar turismo é o vendido em casas de câmbio. Ele é mais caro que o dólar comercial e o à vista, pois existe sob a forma de papel-moeda, o que traz maiores custos com transporte, segurança e armazenamento. Por esse mesmo motivo a recarga em dólar em um cartão de débito geralmente é mais barata que a compra do papel-moeda.
Saiba mais:
Eduardo Cunha
Deputado federal pelo PMDB do Rio de Janeiro, Eduardo Cunha foi eleito, em fevereiro, para a presidência da Câmara dos Deputados. Sua vitória representou uma derrota para a presidente Dilma e o PT, que apresentaram a candidatura oficial de Arlindo Chinaglia (PT-SP). Cunha faz parte da bancada evangélica do Congresso e também é um dos políticos presentes na lista de investigados da Operação Lava Jato. O presidente da Câmara é uma das figuras-chave do atual jogo político, que envolve a aprovação pelo Congresso das medidas que compõe o ajuste fiscal.
Saiba mais:
Efeito contábil da corrupção
O impacto que uma fraude pode causar nas finanças de uma empresa é o efeito contábil da corrupção. Depois do início das investigações da Operação Lava Jato, a Petrobrás se viu diante de um impasse: como contabilizar no balanço, da forma mais precisa possível, os efeitos da corrupção? Essa situação fez a estatal adiar a divulgação do balanço trimestral auditado por duas vezes. Quando divulgou, informou que era 'impraticável' estimar os efeitos da Lava Jato.
No balanço fechado de 2014, a empresa pretende contabilizar oficialmente o rombo que as obras superfaturadas causaram no seu patrimônio. Para tal, recorreu a diversos documentos judiciais ligados à investigação da Lava Jato.
Saiba mais:
Equipe econômica
A equipe econômica do governo é formada pelos chefes dos órgãos e pastas que conduzem a política econômica do País: o ministro da Fazenda, o ministro do Planejamento e o presidente do Banco Central. Em novembro do ano passado, após ser reeleita, a presidente Dilma indicou Joaquim Levy para a Fazenda, Nelson Barbosa para o Planejamento e manteve Tombini à frente da autoridade monetária.
Saiba mais:
continua:
 
Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1