IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um motorista do Senado, ganha mais para dirigir um automóvel, do que um Oficial da Marinha, para comandar uma fragata!

Desigualdade

Jardim Paulista é um bairro nobre na zona sul de São Paulo Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

 

Mapa da Desigualdade de 2017 listou melhores e piores distritos da capital paulista nas áreas de saúde, educação, cultura, mobilidade, segurança e habitação

 

 

 

Um morador do Jardim Paulista, área nobre da zona sul de São Paulo, vive em média 24 anos a mais que um residente do Jardim Ângela, bairro periférico na zona sul da capital. Nos Jardins, o morador morre, em média, aos 79,4 anos. Já quem mora no Jardim Ângela vive até os 55,7.

 

Essa diferença foi revelada em estudo encomendado pela Rede Nossa São Paulo e apresentado nesta terça-feira, 24. O Mapa da Desigualdade de 2017 mostra diferenças de acordo com o distrito da cidade em 38 indicadores avaliados. Entre os distritos que apresentaram os piores índices, Brás, Marislac e São Rafael ficaram empatados em último lugar. 

 

 

Após Jardim Paulista, os bairros onde os moradores vivem mais são: Moema (79,2), Consolação (78,9), Pinheiros (78,7) e Itaim Bibi (78,6). Entre os distritos com idade média ao morrer mais baixa, estão Anhanguera (56,4), Cidade Tiradentes (57,3), Lajeado (58,1) e Grajaú (58,2).

 

No Mapa da Desigualdade do ano passado, o estudo revelou que os moradores do Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital viviam cerca de 25 anos a mais que o morador de Cidade Tiradentes, no extremo leste da cidade. Na média, o primeiro chegava a 79,67 anos, enquanto o segundo não passava de 53,85 anos.

 

De acordo com o estudo divulgado nesta terça, entre 2013 e 2016, houve piora em indicadores relacionados à cultura: acervo de livros infanto-juvenis; centros culturais, espaços e casas de cultura; cinemas; e teatros. Outro destaque negativo do período são os índices de mortalidade: específica para Aids; infantil; por doenças do aparelho circulatório; e por doenças do aparelho respiratório.

 

Saúde. O Mapa da Desigualdade chama de “desigualtômetro” a diferença entre o melhor e o pior indicador. Na saúde, o levantamento aponta que o indicador de gravidez na adolescência é quase 26 vezes maior na região de Marsilac, no extremo sul da cidade, na comparação com Moema, bairro em área nobre da capital. O indicador é de 0,88 em Moema e de 22,8 em Marsilac.

 

Trabalho e renda. O distrito no extremo sul da capital é também o que possui a pior remuneração por emprego formal (R$ 1.287,32) entre todos os avaliados. Na primeira colocação, está Campo Limpo, onde a remuneração média é de R$ 10.079,98.

O "desigualtômetro" contém dados atualizados até 2016. As taxas foram calculadas a partir de informações econômicas e sociais fornecidas pela Prefeitura e demais órgãos oficiais, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A partir delas, a entidade listou os melhores e piores distritos da capital paulista sob o ponto de vista de saúde, educação, cultura, mobilidade, segurança e habitação.

 

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1