IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.
Foto: André Dusek|Estadão
Ministro Luiz Edson Fachin

Luiz Edson Fachin - Último ministro a ser indicado para a Corte pela ex-presidente Dilma Rousseff; magistrado passou a integrar Turma responsável pelo processo no Supremo na quarta-feira, 1º  Ministro 

 

BRASÍLIA - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), é o novo relator dos processos relacionados à Operação Lava Jato na Suprema Corte, função que era desempenhada pelo ministro Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo no dia 19 de janeiro.

O novo relator foi definido nesta quinta-feira, 2, em um sorteio eletrônico, feito por um software responsável por distribuir aleatoriamente os processos do tribunal, entre os ministros da Segunda Turma do STF — Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, José Dias Toffoli e, a partir desta quinta-feira, Edson Fachin.

Redistribuir a relatoria entre os ministros da Segunda Turma foi a decisão tomada pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, após analisar o Regimento Interno e ouvir ministros nos últimos dez dias. Interlocutores de Cármen diziam que tentava “construir um caminho”.

O decano da Corte, o ministro Celso de Mello, foi o principal defensor desse mecanismo de redistribuição. No entanto, a decisão não foi consensual. Houve opiniões divergentes entre os ministros, e alguns disseram, reservadamente, não terem sido procurados pela presidente.

A Segunda Turma do STF, da qual o ministro Teori Zavascki fazia parte, é o colegiado responsável por julgar muitos casos da Lava Jato, como o recebimento de denúncia contra senadores e deputados federais, pedidos de habeas corpus e recursos contra atos de instâncias inferiores, como decisões do juiz federal Sérgio Moro.

De acordo com o Regimento Interno do STF, cabe ao relator ordenar e dirigir os processos, determinar providências relativas ao andamento e à instrução dos processos, tomar decisões monocráticas (sem consulta dos demais ministros) e submeter ao Plenário ou à Turma medidas cautelares, pedir dia para julgamento dos feitos quanto estiver pronto para proferir voto, entre outras atribuições.

Nomeação. A definição do novo relator abre caminho para o presidente Michel Temer anunciar quem vai indicar para assumir a vaga de Teori no STF. O Palácio do Planalto aguardava a definição do relator da Lava Jato para só então anunciar oficialmente a indicação do novo ministro para a vaga de Teori.

Nas consultas que tem feito sobre a indicação ao STF, Temer tem buscado um nome sem ligação explícita com partidos políticos e que esteja alinhado com as reformas propostas pelo seu governo, como a previdenciária e a trabalhista.  

'Novato'. Fachin só chegou à 2ª Turma da Corte e, portanto, entrou na lista da distribuição do caso, na quarta-feira, 1º. Fachin fazia parte da 1ª Turma do STF, mas pediu para migrar para o outro colegiado após a morte de Teori. É, portanto, o "novato" no grupo e também em todo o Tribunal. O ministro é hoje considerado um nome de consenso internamente para herdar a Lava Jato, pois é tido como um magistrado discreto.

Antes de Fachin ser indicado ao STF,  no entanto, os ministros da Corte fizeram uma articulação interna para evitar que o último ministro nomeado por Dilma Rousseff assumisse uma cadeira na Turma da Lava Jato. Há menos de dois anos, em março de 2015, Toffoli migrou da 1ª para a 2ª Turma para que o novo indicado à Corte não ficasse com o ônus de julgar a Lava Jato. O indicado foi Fachin. Agora, o gesto de Fachin foi visto como uma gentileza ao futuro indicado à Corte.

No Tribunal, Fachin era um dos mais próximos a Teori Zavascki e não escondeu emoção no enterro do colega. 

O nome dele foi cotado para o Tribunal já na época do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas só foi consolidado na última indicação de Dilma. Em meio a turbulências políticas no governo da petista, Fachin enfrentou dura resistência no Senado e uma longa sabatina. Era considerado um nome ligado a movimentos sociais. Ao chegar ao Tribunal, no entanto, decepcionou advogados de Dilma Rousseff ao proferir um voto considerado muito rigoroso na sessão que definiu o rito do julgamento do impeachment da então presidente.

Ao ser escolhido, interlocutores de Dilma diziam que a presidente viu em Fachin uma mistura de suas duas últimas indicações: Teori e Luís Roberto Barroso. No STF, os três compartilhavam o grupo de ministros que conversava entre si sobre questões do Tribunal e pensa em uma reformulação interna para que a Corte seja mais eficiente e ágil.

No âmbito penal, Fachin assumiu a relatoria da denúncia contra o então presidente do Senado, Renan Calheiros. O caso remonta a um escândalo de 2007, que demorou para chegar ao plenário da Corte - em razão de lentidão na Procuradoria-Geral da República e também no gabinete do antigo relator, ministro Ricardo Lewandowski. Em dezembro do ano passado, o plenário do STF tornou Renan Calheiros réu nessa ação penal, a qual é relatada por Fachin.

Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla , 
O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2017 

 

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1