IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

 

CNN lembrou que, em 2010, em entrevista à emissora, republicano tinha uma outra opinião sobre Assange e o considerava 'vergonhoso'

 

 

WASHINGTON  – O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, voltou nesta quarta-feira, 4, a questionar a credibilidade da inteligência americana no caso dos ataques cibernéticos russos durante as eleições presidenciais e defender o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, acusado de ajudar os russos. Sua equipe anunciou que a reunião entre ele e a cúpula da inteligência para falar sobre o tema ocorrerá amanhã.

 

Em mensagens no Twitter, Trump lembrou que Assange negou ter recebido dos russos os e-mails da campanha democrata, vazados pelo WikiLeaks. “Julian Assange disse que ‘um menino de 14 anos poderia ter hackeado os e-mails de (John) Podesta’”, tuitou Trump, em referência ao chefe de campanha da candidata democrata Hillary Clinton. “Além disso, os russos não deram a ele a informação.”

 

O Comitê Nacional Democrata (DNC) também foi invadido por hackers que a inteligência americana afirma estar relacionados à Rússia. “Por que o DNC foi tão descuidado?”, perguntou Trump. “Alguém hackeou o DNC, mas por que não tinham defesas contra os hackers, como o RNC?”, afirmou, em referência ao Comitê Nacional Republicano.

 

No mês passado, o New York Times revelou que o Partido Republicano também sofreu ação de hackers, mas seus e-mails não foram divulgados pelo WikiLeaks.

 

A comunidade de inteligência americana chegou à conclusão de que os ataques e a divulgação dos e-mails de Podesta e de líderes democratas foram projetados para ajudar Trump a vencer as eleições. A Rússia rejeitou diversas vezes as alegações e Trump sempre defendeu a posição russa.

 

A equipe de transição de Trump tem afirmado que o republicano solicitou uma reunião com a inteligência, em Washington, na semana passada. Como resposta, as agências pediram um prazo para a elaboração de um relatório oficial. A reunião, segundo o porta-voz de Trump Sean Spicer, ocorrerá amanhã.

 

Ainda pelo Twitter, Trump afirmou que esse encontro tinha sido “atrasado” para amanhã. “Talvez fosse necessário mais tempo para construir o caso. Muito estranho!”, ironizou Trump.

O republicano tem questionado a conclusão dos americanos do envolvimento de autoridades russas nos ciberataques, que motivaram sanções impostas pelo presidente Barack Obama a Moscou.

 

Em uma entrevista divulgada na terça-feira pela TV Fox, Assange insistiu que nenhum grupo relacionado ao governo da Rússia era a fonte do material.

 

Assange permanece refugiado na Embaixada do Equador em Londres. Ele teme voltar para a Suécia, onde vivia, e ser deportado para os EUA, onde é criticado pela publicação, no WikiLeaks, em 2010, de 500 mil documentos secretos sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão, o que poderia levá-lo a enfrentar prisão perpétua.

 

A TV CNN lembrou que, em 2010, em entrevista à emissora, Trump tinha uma outra opinião sobre Assange e o considerava “vergonhoso”. Para o republicano, na época, por suas ações, Assange merecia a “pena de morte”. / EFE e AFP 

 

Redação Internacional

04 Janeiro 2017

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1