IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um motorista do Senado, ganha mais para dirigir um automóvel, do que um Oficial da Marinha, para comandar uma fragata!

Volta dos ataques a Aleppo

 

"Prepare, pois, a sua indiferença/impotência que logo virá mais sangue na tela mais próxima de você, em horário nobre" - Clovis Rossi

 

 

O primeiro a fazer a denúncia foi Jens Laerke, porta-voz da ONU para Assuntos Humanitários, assim que as forças da ditadura síria entraram na parte rebelde de Aleppo : "Houve um completo derretimento da humanidade em Aleppo".

Foi pior: em editorial desta quarta-feira (14), o "Le Monde" escreve que Aleppo foi "o túmulo do direito internacional, da ONU, de um mínimo de decência e de humanidade".

É isso mesmo, desgraçadamente. Se as comunicações modernas transformaram o mundo em um vilarejo, esse pequeno mundo assistiu um genocídio, em cores e no horário nobre, em um de seus recantos, sem que ninguém fizesse nada para impedi-lo ou ao menos atenuá-lo, o que já seria pouco.

E olhe que houve tempo, muito tempo, para isso. A guerra na Síria já vai para o sexto ano e para 312 mil mortos, segundo a conta mais recente do Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Os refugiados, internos ou externos, são 9,5 milhões ou aproximadamente 40% da população. Se fosse no Brasil, essas porcentagens corresponderiam a mais de 80 milhões de pessoas, uma sinistra contabilidade que nem inclui os feridos.

Haveria idêntica indiferença/impotência/inapetência para intervir?

Minha primeira tentação é responder que não. Países do hemisfério ocidental não podem passar por uma situação dessas sem que haja algum tipo de intervenção, certo?

Aí vem à memória o Holocausto, genocídio praticado em e por mais de um país ocidental. Tento pensar que era outro mundo, outra época. Mas, recentemente, houve dois outros genocídios, contra muçulmanos (Srebrenica, na antiga Iugoslávia) e contra negros (Ruanda).

Agora, são muçulmanos de novo, na Síria. Fica a sensação de que está permitido matar negros e árabes, aos olhos ocidentais, a cuja cultura pertencemos, gostemos ou não.

É eloquente que os folhetos lançados em novembro nas áreas de Aleppo sob controle dos rebeldes avisassem: "Se vocês não deixarem esses lugares rapidamente, vocês serão aniquilados. (...) Vocês sabem que foram abandonados por todo o mundo, deixados sozinhos à própria sorte, e que ninguém lhes propôs ajuda". Fica claro, pois, que os assassinos contavam em sua estratégia de campanha com a omissão de "todo o mundo".

Menos, claro, da Rússia de Vladimir Putin, o mais novo amigo de infância de Donald Trump, cogestión, com o ditador Bashar al-Assad, do massacre de Aleppo.

Posto de outra forma: o Ocidente é culpado por omissão pelo genocídio, enquanto a Rússia o é também, mas por ação.

Há quem ache que, após ocupar Aleppo, Assad ganhou a guerra. Mas Samer Abboud, professor-assistente de Estudos Internacionais na Arcadia University (Pensilvânia), discorda: "A luta persistirá ao longo do país. Até em áreas ostensivamente sob controle do regime, a violência e a insegurança permanecerão como parte da vida diária dos sírios", escreveu para a Al Jazeera.

Prepare, pois, a sua indiferença/impotência que logo virá mais sangue na tela mais próxima de você, em horário nobre. 

Clovis Rossi 

15/12/2016

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1