IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um motorista do Senado, ganha mais para dirigir um automóvel, do que um Oficial da Marinha, para comandar uma fragata!

Informação nova em folha: a reunião dos três poderes de hoje foi acertada num encontro de duas horas, no domingo passado, entre o presidente Michel Temer e a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, sem testemunhas e até agora mantido sob discrição. Na pauta, a conjuntura brasileira, ou seja, de tudo um pouco.

 

 

A relação de Temer e Cármen Lúcia é muito boa e o presidente é pródigo de elogios à ministra, considerada séria, objetiva, a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa. Os dois decidiram unir esforços contra um dos principais problemas do País: a segurança (ou falta de…). Esse é um dos focos da presidente do Supremo, mas ela sabe que nenhum poder consegue fazer muita coisa sozinho e, bem, quem tem os recursos é o Executivo.

 

 

A operação Métis da Polícia Federal contra a Polícia Legislativa havia sido deflagrada na sexta-feira anterior à conversa a dois entre Temer e Cármen Lúcia, mas isso só tomou ares de crise entre os poderes na segunda-feira, quando o presidente do Senado, Renan Calheiros, acionou sua metralhadora giratória contra juízes, o ministro da Justiça e a operação em si.

 

 

Nesse momento, Temer pensou em antecipar a reunião de Poderes para terça-feira, mas Cármen Lúcia aceita participar de seminários de trabalho, não de reuniões políticas. Ela reagiu a Renan numa reunião do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e esperou calmamente a sexta-feira para o pacto pela segurança. Aparentemente, foi também um pacto de paz entre Executivo, Legislativo e Judiciário. Até a próxima crise.

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1