IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um motorista do Senado, ganha mais para dirigir um automóvel, do que um Oficial da Marinha, para comandar uma fragata!

Dizer, como têm dito alguns ministros e auxiliares do presidente Michel Temer, que o resultado da eleição municipal de domingo sepultou a tese do impeachment é forçar um pouco a barra. Até porque a tese do impeachment é política e será repetida por aí até que os partidos de oposição percebam que está superada, como já estava superada na eleição quando o PT tentou nacionalizar a campanha e deu com quase todos os seus burros n’água.

Agora, dizer que o resultado da eleição municipal deu uma força que nem o governo esperava à agenda ultraliberal do governo de Temer, não há dúvidas de que deu.

Não que a população tenha ido às urnas manifestar apoio incondicional ao projeto de governo do PMDB, divulgado em novembro do ano passado, baseado em privatizações e reformas do Estado, e que se chama “Uma ponte para o futuro”. 

A força que as urnas deram ao governo, para que faça as mudanças, veio de forma indireta. Ao rejeitar o PT e os partidos a ele coligados, a sociedade disse um não aos esquemas de corrupção montados por boa parte das legendas de oposição e que estão no governo, conforme revelam as investigações da Operação Lava Jato. Se a rejeição atingiu diretamente o PT, e não partidos que também estão enrolados no mesmo esquema, como o PMDB e o PP, foi porque a marca da corrupção ficou mais forte no Partido dos Trabalhadores. 

E isso tem uma lógica muito clara, que nada tem a ver com a tese petista de que a Lava Jato foi criada para destruir o partido e todos os seus, em especial o ex-presidente Lula. É que o PT era o partido que estava no poder. Contratos, concessões, aditivos, tudo o que está sendo investigado era assinado pelo governo, que era do PT. 

O partido acabou também recebendo a marca do mau gestor, um gestor que quebrou o País depois de ter prometido uma coisa na campanha e ter feito outra. Para piorar as coisas, ao reagir às suspeitas de corrupção e ao impeachment, o PT acabou se isolando em posições sectárias, nas quais quem não fosse contra o processo de impedimento de Dilma Rousseff era golpista. 

Tal argumento foi tão repetido em discursos na Câmara e no Senado, na Comissão Especial do impeachment, cujas sessões foram transmitidas ao vivo pela TV, e nos comícios da campanha, que o efeito na população foi o contrário do que os petistas pretendiam. O clima de radicalização aumentou e a resposta apareceu nas urnas. 

O resultado final – e isso não se pode negar – beneficiou os partidos que dão apoio ao governo. Praticamente todos cresceram, em especial o PSDB e o PSD. Até legendas inexpressivas, como o PRB, se tornaram competitivas. Se, em São Paulo, Celso Russomanno ficou para trás na disputa pela Prefeitura, no Rio de Janeiro o senador Marcelo Crivella chegou à frente no primeiro turno, e continua à frente no segundo turno.

Diante desse quadro, Temer ganha poder para exigir dos parlamentares que fazem parte de sua base que votem nas propostas da agenda ultraliberal. E estes se sentem livres para aprová-la. 

A razão é muito simples: as propostas liberais do governo são os planos A, B e C de Temer. Portanto, não há volta. Ou Temer as aprova, e faz o ajuste fiscal e tenta tocar uma política econômica que venha a gerar empregos, ou acabou o governo. 

Os parlamentares aliados ao Palácio do Planalto sabem disso. Vão criar um caso aqui, outro ali, exigir a nomeação de um aliado para um ministério ou uma estatal, mas acabarão votando a favor dos projetos. Se existe uma coisa que político tem é instinto de sobrevivência. Eles sabem que, como o governo de Temer, não dispõem de alternativa, a não ser votar, aprovar e torcer para que as medidas deem certo. 

O exemplo do fracasso do PT está bem fresquinho, à vista de todos. 

João Domingos

8/10/2016

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1