IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

 

No Brasil, um Assessor de 3º nível de um Deputado, que também tem esse título para justificar seus ganhos, mas que não passa de um "aspone" ou mero estafeta de correspondências, ganha mais que um Cientista-pesquisador da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, com muitos anos de formado, que dedica o seu tempo e a sua vida, buscando curas e vacinas para salvar vidas.

Obesidade saudável: Pessoas com excesso de peso e metabolismo saudável podem ter os mesmos riscos de doenças crônicas do que as magras

De acordo com um novo estudo, fazer exercícios regularmente não reduz o risco de morte precoce causado pelo excesso de peso

De acordo com o estudo, pessoas magras e inativas correm um risco 30% menor de morrer do que aquelas ativas, mas que estão acima do peso. É melhor ser magro e sedentário do que obeso ativo

Já se sabe que o excesso de peso é considerado um fator de risco para desenvolver uma séries de doenças e também está relacionado a um risco de morte maior. Agora, um novo estudo, publicado no último domingo na revista científica International Journal of Epidemiology, mostra que a prática regular de atividades físicas por quem está com quilos extras não ajuda a diminuir o risco de morte prematura.

A pesquisa, feita por cientistas suecos, acompanhou mais de 1,3 milhão de homens, a partir de seus 18 anos, por um período de 29 anos. Todos os participantes tinham entrado nas forças armadas, onde passaram por um teste físico e tiveram suas medidas anotadas, como altura e peso.

A equipe de pesquisadores então analisou quantos homens haviam morrido neste período por doenças como câncer e problemas cardíacos. Os resultados mostraram que os participantes que tiveram melhor aptidão no teste físico tinham uma probabilidade muito menor de morrer do que se eles estavam inativos. Entretanto, esse benefício não era visto entre os homens obesos.

Os magros e inativos corriam um risco 30% menor de morrer do que aqueles que estavam acima do peso, mas ativos. "Estes resultados sugerem que ser magro - índice de massa corporal (IMC) entre 18,5 e 24,99 - no início da vida é mais importante do que a alta aptidão física, em relação à redução do risco de morte prematura", disse Peter Nordstrom, professor da Universidade de Umea, na Suécia, e principal autor do estudo.

De acordo com os autores, esses resultados contrariam a crença de que pessoas obesas podem compensar o risco de mortalidade ao praticarem atividade física. No entanto, eles ressaltaram que fazer exercício ainda traz muitos benefícios para pessoas obesas.

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1