IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um ascensorista da Câmara Federal, ganha mais para servir os elevadores da Casa, do que um Oficial da Força Aérea, que pilota um Mirage.

Com o BCE como credor de última instância, uma depressão europeia assusta mais que a crise fiscal

 

 

Nos últimos quatro anos, a política europeia foi dominada por uma avaliação completamente unilateral desses riscos: desastre iminente da dívida e nada para se preocupar com a austeridade – a Fadinha da Confiança cuidará disso. Existe uma posição mais sóbria que considera os rochedos da dívida um risco sério, e o redemoinho da deflação ainda não ameaçador demais.

 

Como você poderia supor, tenho uma opinião completamente diferente. Agora que o Banco Central Europeu (BCE) está disposto a fazer seu trabalho como credor de último recurso, a ameaça da dívida é muito menos premente do que se pintava antes – e tenho afirmado o tempo todo que para os países fora da Zona do Euro não representa qualquer ameaça. Enquanto isso, estou aterrorizado por esse redemoinho. A Europa ainda pode circundar o ralo lentamente, mas as expectativas de inflação se soltaram das amarras, a inflação real está caindo e a recuperação estagnou. Quando a espiral descendente se tornar inegável, poderá ser irreversível.


Eu posso estar errado? É claro que sim. Mas a política econômica sempre envolve sopesar os riscos, e acho que deveríamos ter muito mais medo de uma depressão europeia do que temos da crise fiscal.

Em uma coluna recente, não fui simpático com o presidente francês, François Hollande, que demonstrou tanta força na oposição aos austerianos quanto um lenço de papel molhado. Mas temos de admitir que ele não é o único nesse infortúnio. Onde estão as grandes figuras políticas da esquerda europeia tomando posição contra as políticas desastrosas? O Partido Trabalhista da Grã-Bretanha tem sido quase surrealmente contrário a desafiar as premissas básicas das políticas do primeiro-ministro David Cameron. Alguém está se saindo melhor?

 

Você pode se queixar – e o fiz muitas vezes – da indisposição do presidente Obama a seguir a retórica de apertar os cintos, dos anos que ele desperdiçou perseguindo uma Grande Barganha sobre o orçamento e assim por diante. Mas o governo Obama, embora não use a palavra “estímulo”, favorece a coisa em si, e em geral os liberais americanos assumiram uma posição muito mais franca contra o dinheiro duro, a ortodoxia do orçamento equilibrado, do que seus homólogos na Europa.

 

Os economistas, em particular, assumiram uma posição muito mais forte. Na Grã-Bretanha existem, é claro, algumas vozes proeminentes contra a austeridade – os economistas Martin Wolf, Jonathan Portes, Simon Wren-Lewis e outros que certamente me escapam. Mas eles não parecem ter nada parecido com o peso que Larry Summers, Alan Blinder e muitos outros têm no debate aqui nos Estados Unidos.

 

Por que essa diferença? Realmente não sei. Tenho algumas hipóteses. Uma é que a ecologia intelectual nos EUA parece muito mais flexível: aqui, economistas sérios com credenciais de pesquisas célebres também podem ser intelectuais públicos com grande número de seguidores, e até servir como autoridades públicas; e eles podem fornecer pelo menos algum contrapeso para as “pessoas muito sérias”. Pense em Summers, ex-secretário do Tesouro, mas também na presidente do Federal Reserve, Janet Yellen (e antes dela Ben Bernanke), e de maneira um tanto diferente neste que vos escreve. Essas pessoas não estão totalmente ausentes na Europa – Mervyn King, o ex-governador do Banco da Inglaterra, foi um banqueiro central acadêmico, e também de certa maneira o é Mario Draghi, o presidente do BCE. Mas há muito mais deles nos EUA.

 

Outra hipótese é de que os liberais americanos foram endurecidos pela loucura da direita, e em particular pela experiência dos anos Bush.

 

Depois de ver as “pessoas muito sérias” leonizarem o presidente George W. Bush, uma figura fundamentalmente lúdica, e aplaudir uma guerra que foi obviamente cozida sob falsas premissas, os liberais americanos estão mais dispostos que os social-democratas europeus a acreditar que os homens de ternos caros não têm ideia do que estão falando. Oh, e a América tem uma rede de grupos de pensadores progressistas vastamente maior e mais eficaz que qualquer coisa na Europa.

 

Mas estou apenas fazendo sugestões aqui. O infortúnio da esquerda europeia ainda é algo que não compreendo totalmente.

 

10/09/2014 

 

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1