Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Menu do Usuário

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

niobioO nióbio, material estratégico inestimável - que sai do Brasil incrivelmente subfaturado e também clandestinamente - é um dos exemplos mais notáveis de como o Brasil está entregando seus recursos naturais às grandes empresas transnacionais estrangeiras, ao mesmo tempo em que

seu povo paga juros e impostos absurdamente altos e fica mais pobre. Estão em nosso País 98% das jazidas conhecidas no Planeta desse minério, essencial para as indústrias aeronáutica e aeroespacial, para a indústria nuclear, inclusive armas e seus mísseis e muitas outras indústrias.

O nióbio é tão indispensável quanto o petróleo para as economias avançadas. Se o Brasil exercer sua soberania, terá posição no nióbio muito mais forte do que todos os países da OPEP juntos, que não totalizam sequer 50% da produção mundial de petróleo. O consumo global do nióbio tem crescido vertiginosamente: 25,8 mil toneladas em 1997, e cerca de 90 mil toneladas, em 2009, nas estatísticas do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que só registram o declarado pelas empresas.Segundo o DNPM, o Brasil só produz e exporta o óxido de nióbio e ligas de ferro-nióbio.

A receita total dessas exportações é de 1,6 bilhão, na base de US$ 23 por quilo.

ABRINDO A CAIXA PRETA DO NIÓBIO

Nós do Instituto Mãos Limpas somos um grupo já com 300 membros e cerca de 700 apoiadores, focado no combate à corrupção. Chegamos à conclusão que a corrupção está profundamente enraizada no próprio sistema político, subordinado a interesses privados concentradores.

O povo não entende por que está tão massacrado. A classe média não sabe por que é obrigada a dar mais da metade do que ganha para pagar tributos. Nem por que os preços da eletricidade, do gás, do telefone se elevaram absurdamente, nem por que paga pedágios altíssimos para usar estradas construídas com dinheiro público, na verdade, dinheiro nosso.

Os grandes banqueiros mandam no Banco Central. Este faz a União Federal pagar os juros mais altos do mundo nos títulos do Tesouro, que realimentam a dívida pública acumulada pela capitalização dos próprios juros.

Os juros são aumentados com a desculpa mentirosa de que isso reduziria a inflação. A verdade é que os preços sobem porque os donos dos mercados são poucos e determinam os preços. Então, a única e falsa saída que o sistema busca é cortar a procura. Mas não é possível reduzi-la muito, principalmente no caso dos serviços públicos privatizados

Esse descalabro provém de a economia brasileira se ter desnacionalizado, inclusive porque a política governamental subsidia as empresas multinacionais e prejudica as de capital nacional. Ademais, a crise da dívida serviu de pretexto para as privatizações, as quais agravaram ainda mais os defeitos estruturais da economia.

O Brasil está caminhando para nova crise. O que está por acontecer de novo já ocorreu, quando a oligarquia financeira mundial atirou o Brasil na crise da dívida externa de 1982/1987. Na sequencia, o “serviço da dívida” foi privilegiado no Orçamento Federal, por meio de um dispositivo inserido fraudulentamente, no texto da Constituição de 1988, sem sequer ter sido discutido.

Esse “serviço” já acarretou despesa, desde então, de 6 trilhões (sim, trilhões) de reais, com a dívida pública externa e interna, esta derivada daquela.

Ora, a dívida externa cresce com os déficits acumulados nas transações com o exterior. E esses déficits se acumulam, entre outras coisas, porque os fabulosos recursos naturais do Brasil não são valorizados na exportação, nem utilizados pela indústria nacional. Isso está ligado à desindustrialização do País e a ficar ele sem tecnologias próprias.

Um dos exemplos mais notáveis disso tudo, se não o maior, é o do nióbio, material estratégico inestimável, que sai do Brasil incrivelmente subfaturado e também clandestinamente.

Estão em nosso País 98% das jazidas conhecidas no Planeta desse minério, essencial para as indústrias aeronáutica e aeroespacial, para a indústria nuclear, inclusive armas e seus mísseis e muitas outras indústrias.

O nióbio é tão indispensável quanto o petróleo para as economias avançadas. Se o Brasil exercer sua soberania, terá posição no nióbio muito mais forte do que todos os países da OPEP juntos, que não totalizam sequer 50% da produção mundial de petróleo.

O consumo global do nióbio tem crescido vertiginosamente: 25,8 mil toneladas em 1997, e cerca de 90 mil toneladas, em 2009, nas estatísticas do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que só registram o declarado pelas empresas.

Segundo o DNPM, o Brasil só produz e exporta o óxido de nióbio e ligas de ferro-nióbio. A receita total dessas exportações é de 1,6 bilhão, na base de US$ 23 por quilo.

Considerando que os preços efetivos no exterior variam de US$ 180 a US$ 350, tem-se uma idéia de como o País está sendo lesado. Calculando U$ 255,00 por quilo, na quantidade de 2010, o valor anual teria alcançado US$ 15.300.000.000 (quinze bilhões e trezentos milhões de dólares).

Outro indicador de como o nióbio é precioso está no fato de ele entrar com só 0,1% do peso das ligas de ferro-nióbio e dar a esse insumo industrial qualidade muito superior às chapas de ferro. Isso ressalta também como o nióbio, na realidade, é subfaturado de modo incrível, uma vez que nos US$ 23 por quilo está incluído também o ferro que compõe a quase totalidade do peso das ligas.

Esses absurdos decorrem de as empresas produtoras e exportadoras no Brasil serem ligadas a grupos estrangeiros que são os importadores, realizando os lucros no exterior. Por ter tido sua economia desnacionalizada, o Brasil não fabrica os produtos finais de altíssimo valor agregado baseados no nióbio. Se o fizesse estaria ganhando quantia equivalente a mais de vinte vezes os US$ 15,3 bilhões mencionados acima.

De fato, o País só exporta insumos, e ainda por cima, a preços que nem de longe compensam a extração do minério e a perda de jazidas. Ou seja, o que deveria ser fonte de estupendos ganhos, resulta somente em prejuízos.

Justifica-se, portanto, plenamente, grande campanha nacional para esclarecimento dos brasileiros acerca do presente estado de coisas, uma campanha capaz de conduzir à reversão do lastimável quadro de saqueio dos recursos naturais do País.

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29