Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

 

O desgaste enfrentado por quadros tradicionais do PSDB levou a cúpula do partido a ponderar com seriedade uma discussão que, antes, estava restrita a cochichos nos bastidores: a possibilidade de o prefeito de São Paulo, João Doria, se firmar como um nome competitivo para as eleições presidenciais de 2018.

 

Parlamentares e dirigentes do PSDB ouvidos pela reportagem admitem que o assunto saiu da seara das fofocas.

 

A avaliação é que a crise política tende a macular sobremaneira a classe política tradicional que levará o eleitor a buscar, em 2018, fórmula parecida à que fez sucesso em algumas das principais capitais do país no ano passado, nas eleições municipais.

 

Mais: acham que a pressão por avaliar as chances de Doria tende a crescer dentro da própria militância, com a aproximação do pleito.

 

Um dirigente do partido apresentou o seguinte raciocínio à Folha: em 2016, nas cidades em que o eleitor dispunha apenas de quadros políticos já conhecidos, a eleição se dava entre "o menos pior". Onde havia a oferta de "outsiders", porém, preponderou a escolha pelo novo.

 

Doria foi o principal expoente dessa tendência, ao liquidar os adversários já na primeira fase da eleição paulistana –feito inédito até então– com o discurso de que não era político, mas gestor.

 

Em conversas reservadas, tucanos graduados argumentam que, se houvesse em 2018 um páreo montado apenas por políticos tradicionais, um entre os três nomes que se colocam hoje ao Planalto na sigla –Aécio Neves (MG), José Serra (SP) e Geraldo Alckmin (SP)– teria chances.

 

Mas com a indicação de que "outsiders" se arriscarão na corrida à Presidência, cresce a sensação de que Doria pode ser representar uma opção viável.

 

A Lava Jato é vista como o principal fator de instabilidade para os nomes mais tradicionais da legenda. Aécio, Serra e Alckmin já foram citados em depoimentos de delatores. Todos negam qualquer irregularidade.

 

CRIADOR

 

Ainda que esteja ganhando corpo, a tese sobre a viabilidade de Doria é permeada por uma série de ressalvas no tucanato. A principal delas é: com menos de 90 dias de mandato, o prefeito ainda precisa entregar resultados concretos em São Paulo para ter uma vitrine que segure um palanque nacional.

 

Há um segundo ponto: Doria se elegeu com o discurso de que apoiaria seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, à Presidência em 2018. Uma guinada personificaria o exemplo de criatura que engoliu o criador.

 

Hoje, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) trava uma batalha surda com Alckmin pela hegemonia no PSDB. Num cenário de caos político, dizem tucanos de diversos matizes, o grupo de Aécio poderia passar a apoiar Doria para tirar Alckmin da jogada.

 

O prefeito mantém o discurso de que seu candidato ao Planalto é Alckmin. Dá sinais concretos, porém, de que sabe que o vento pode migrar com força para a sua direção.

 

Sua equipe de comunicação passou a monitorar menções a uma eventual candidatura à Presidência não só na imprensa, mas também na internet. Em outra frente, cada referência a Doria em pesquisas de opinião, ou questionamentos sobre a disposição de concorrer ao Planalto é alvo de avaliação interna.

 

Os resultados são, depois, compartilhados em grupos de secretários e outros integrantes do primeiro escalão da administração paulistana.

 

O prefeito, por sua vez, tem mantido um ritmo frenético de aparições e de divulgação do mandato nas redes sociais. Numa última invenção, estreou um "programa" na internet no qual conversa com personagens como os músicos Lobão e Roger, este último da banda Ultraje a Rigor.

 

Ambos os convidados têm base ampla de seguidores nas redes sociais e falam grosso contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra o PT. Lula, por sinal, é o nome mais competitivo da sigla para o Planalto –e alvo preferencial de Doria.

 

Em janeiro, em um evento da prefeitura, Doria disse que o petista era "o maior cara de pau" do Brasil. Recentemente, no Carnaval, hostilizado por um folião que o chamou de "burguês de merda", rebateu: "Filho do Lula!".

 

O fato de o prefeito antagonizar sempre com a figura nacional mais forte e conhecida do PT chama a atenção tanto de seus aliados como de seus adversários políticos.

 

Integrantes de sua equipe dizem que as menções à Presidência são monitoradas porque inevitavelmente transformam o prefeito em alvo da imprensa e de fogo amigo. Garantem que Doria está fechado com Alckmin e dão exemplos disso.

 

Citaram um evento, na última semana, em que Doria reafirmou que seu candidato ao Planalto era o governador. Fizeram questão de narrar, também, resposta que soou na plateia: "Que pena...". 

 

05/03/2017

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29