Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

As multinacionais que atuam no Brasil começam a desenhar um cenário menos pessimista para o país. As queixas sobre economia fraca, aperto no crédito, inflação e câmbio, até pouco tempo constantes, começam a ceder espaço para os primeiros brotos de otimismo.

Levantamento feito a partir de teleconferências com analistas de cem multinacionais com operações no Brasil registrou comentários positivos por parte dos executivos em 52% dos casos. Pesquisa similar no início de 2015 mostrava que, na época, apenas 22% das empresas viam boas oportunidades no país.

Surgem agora demonstrações de confiança em uma possível retomada, registros de altas nas vendas, benefícios derivados da maior previsibilidade no câmbio e a esperança de que o fundo do poço está mais próximo.
Companhias como Apple, Philip Morris, Coca-Cola e Shell são algumas das que apostam na melhora brasileira ou já notam sinais positivos (as vendas de iPhone cresceram ao menos 10% no segundo trimestre), segundo o levantamento que analisou empresas com receitas somadas de US$ 2,7 trilhões -maior que o PIB britânico, o quinto maior do mundo.

"Ainda muito longe, como uma luz no fim do túnel, temos sinais de que a produção industrial pode melhorar. É a primeira vez em muito tempo que temos essa indicação no Brasil", diz Michael Barry, presidente da indústria química Quaker Chemical.

A melhora também é sentida em alguns indicadores da economia, como a confiança da indústria e dos consumidores, que vêm melhorando, mas ainda estão em um patamar baixo. A previsão de analistas para a contração do PIB neste ano também perdeu força, mas ainda é de queda acentuada: 3,3%.

IMPEACHMENT

Os executivos de algumas empresas fizeram referência explícita à mudança de governo, com o afastamento de Dilma Rousseff e a entrada de Michel Temer. "Existe um impulso positivo no país com a transição do comando e com o retorno que recebemos de nossos clientes e revendedores", diz Ronald E. Armstrong, presidente da empresa de caminhões Paccar.

Para Matthew J. White, diretor da multinacional de gases industriais Praxair, a situação política possibilitou melhoria nos mercados financeiros e no câmbio.

Jim Herbert, presidente da empresa de segurança alimentar Neogen, que em abril comprou o laboratório Deoxi no Brasil, projeta crescimento de suas operações no país no próximo ano e ressalta que o real desvalorizado oferece oportunidades de aquisições baratas de empresas.

"Acho que é um daqueles casos em que precisava haver um bode expiatório —e havia a presidente."

AVIAÇÃO

Embora ainda persistam fortes críticas ao mercado brasileiro, já começam a aparecer mensagens de alento entre as empresas de aviação, que têm sofrido contínuas quedas na demanda por passagens, principalmente nas viagens de negócios.

O presidente da American Airlines, Scott Kirby, estima que ainda neste ano devem começar a aparecer resultados positivos.

Glen Hauenstein, presidente da Delta, relata que as receitas obtidas na América Latina no segundo trimestre registraram queda. Mas o mês de junho trouxe os primeiros resultados positivos para a região em 26 meses.

O PERFIL DO LEVANTAMENTO

100
companhias analisadas

62 pertencem à lista da revista "Forbes" com as 2.000 maiores empresas do mundo

US$ 2,7 tri
soma do faturamento delas no ano passado

O valor supera o PIB do Reino Unido em 2015, o quinto maior do mundo. O do Brasil foi de US$ 1,5 trilhão

64
têm sede nos EUA 

JOANA CUNHA
DE SÃO PAULO
ÁLVARO FAGUNDES
EDITOR-ADJUNTO DE "MERCADO"

01/08/2016  

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29