IMLB - Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

NO BRASIL, um motorista do Senado, ganha mais para dirigir um automóvel, do que um Oficial da Marinha, para comandar uma fragata!

A revista americana Time, em seus bons tempos, costumava apresentar uma seção chamada The Mood of the Country (o humor do país). O mood do Brasil neste fim de ano, tal qual se evidencia pelas manifestações nas ruas, apresenta-se sombrio, ameaçando descambar para um quadro agudo de depressão. 

Comparem-se as manifestações da semana passada com as ocorridas em 2013. Naquele ano, antes que os black blocs estragassem a festa, as pessoas saíam à rua com alegria. A euforia de subitamente se descobrirem capazes de algum protagonismo embalava as reivindicações de menos bandalheiras, mais responsabilidade da parte dos governantes e melhores serviços públicos. A esperança, esse anjo esquivo, acenava do alto.

Ao contrário, as manifestações da semana passada, tanto a favor como contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, se deram à sombra do desalento. A realizada em favor do impeachment foi a mais fraca das encenadas contra o governo neste ano. A realizada contra o impeachment até que desta vez conseguiu equiparar-se à outra, em tamanho, mas não foi além das tur­bas organizadas, carreadas em ônibus pela CUT, MST, MTST e afins. Em São Paulo as manifestações pró-impeachment nem chegaram a perturbar o sossego dos pedestres e ciclistas que, aos domingos, costumam ocupar a Avenida Paulista. Nas manifestações contra o impeachment, Brasil afora, faltou a famosa militância do PT, aquele espontâneo mar humano presente, como ator principal ou importante coadjuvante, na campanha das Diretas, no impeachment de Collor, em protestos variados e nas campanhas eleitorais.

Para o fracasso das manifestações pró-impeach­ment, avançaram-se várias explicações. Seria porque estamos perto do Natal, porque se teve pouco tempo para prepará-las, porque a ideia era mesmo só promover um “esquenta” para os próximos meses. Esqueceu-se o principal: muita gente, com as movimentações desinibidas do vice-presidente Michel Temer nas últimas semanas, enfim se deu conta de qual é a alternativa à queda de Dilma. Sair às ruas, ficou claro, é levar água para o moinho do vice-presidente e sua coorte de tipos suspeitos que dão as cartas no PMDB. No caso das manifestações contra o impeachment, a ausência de contingentes espontâneos indica que ou a famosa militância não existe mais ou não acha que vale a pena trabalhar pela sobrevivência de Dilma. Temos então que nem um lado se encoraja a desfechar o golpe final na presidente, nem o outro se encoraja a defendê-la. Não há o que ganhar, nem de um lado nem do outro. O jogo é perder ou perder.

O Brasil caminha, num cenário de ópera-bufa, para um desfecho de tragédia. Capítulos mais agudos da ópera-bufa são os tapas e cabeçadas entre deputados nos procedimentos do impeachment, a carta choramingas em que Temer reclamou o carinho de Dilma e as manobras com que o alucinado Eduardo Cunha vai espantando a ameaça de ser recolhido aos recintos da Papuda. Acrescente-se, pa­ra pôr mais um figurante na roda, o nariz de palhaço que o PSDB aplicou a si próprio ao encetar um namoro de meses com a figura deletéria do presidente da Câmara, apoiar pautas-bomba que negavam princípios do governo FHC e no final ficar com a alma vendida e as mãos vazias.

A tragédia que se anuncia ao fim do caminho é que tanto a continuidade do governo Dilma como um eventual governo Temer são perspectivas tenebrosas. Um aperitivo do que será um governo Dilma rejuvenescido pela vitória contra o impeachment foi oferecido na semana passada com a decisão de afrouxar a política econômica. Não bastassem a recessão, a inflação de dois dígitos e o rebaixamento da nota pelas agências de risco, o governo ensaia retomar a conhecida trilha do desastre. Um governo Temer, de seu lado, ameaça a Operação Lava Jato. Não se duvide da fúria com que a turma do PMDB, em cujo seio se abrigam alguns dos mais notórios investigados, tentará um acerto de contas com a turma do juiz Moro e do procurador Janot. Até já se especula sobre nomes que, no Ministério da Justiça, possam dar um jeito de dobrar o ímpeto da Polícia Federal.

Gastou-se muito latim, na semana passada, depois que a Polícia Federal apelidou de Catilinárias a operação contra Eduardo Cunha e outros astros da máfia peemedebista. O humor dos brasileiros indica que em breve estaremos trocando o latim pelo espanhol, para entoar o famoso grito dos argentinos, na crise de 2001:

¡Que se vayan todos!

26/12/2015 - Revista Veja 

 

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29

Selo Google1